APP Cemig Atende

Baixe na App Store

Baixe na Play Store

Clique aqui Clique aqui

Projeto de P&D desenvolve ferramenta para otimização da operação de usinas hidrelétricas

.Plataforma Inflower proporciona interface mais amigável junto ao ONS

Desenvolver metodologias e ferramentas computacionais para a otimização da programação diária de usinas hidrelétricas: esse foi o objetivo do projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) GT588: “Desenvolvimento de sistema computacional para o planejamento do despacho considerando múltiplos objetivos, com integrações e funcionalidades multi-usuários”, elaborado por nós dentro do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (P&D), regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O produto final do projeto – que começou a ser executado pela Enacom Engenharia Assistida por Computador no ano de 2018 e foi concluído no último mês de setembro – é um aplicativo web chamado de “Plataforma Inflower”. Ele já se encontra em operação e é utilizado pela nossa equipe de programação de geração da Gerência de Planejamento Energético.

A Plataforma Inflower substitui um conjunto de interfaces e planilhas em Excel para atendimento e é capaz de produzir um resultado otimizado do despacho energético de 16 usinas que operamos. A ferramenta possui registro junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) e está em fase de licenciamento para comercialização junto a outros agentes.

Ganhos em produtividade e agilidade

Com a plataforma, nós passamos a ser mais assertivos e ágeis, maximizando a geração de energia e evitando danos ambientais. É o que explica Diogo Carneiro Ribeiro Bueno Martins, engenheiro de planejamento hidroenergético e gerente do projeto.

A aplicação também teve como finalidade, além da otimização da proposta de geração diária das usinas, criar uma interface voltada para a produtividade, assertividade e confiabilidade da equipe responsável pela atividade. “Será possível minimizar desvios entre o programado para determinada usina e o realizado em tempo real”, afirma Diogo.

Produção acadêmica

Como entrega final do projeto, ainda foram aprovados dois artigos no Seminário Nacional de Produção e Transmissão de Energia Elétrica (SNPTEE) e um artigo internacional no Institute of Electrical and Electronic Engineers (IEEE), além da formação de um doutorando e um mestrando.

O custo total do projeto foi de R$ 2,4 milhões, por meio de recursos do Programa P&D regulado pela Aneel.